Topo
Regina Navarro Lins

Regina Navarro Lins

Bissexualidade e sexo em grupo: qual será o futuro das relações amorosas?

Universa

18/07/2019 04h00

O comportamento sexual evolui após as vanguardas apontarem tendências e arriscarem novos caminhos. Há cem anos os casais mantinham relações sexuais com luz apagada e sob lençóis. Hoje práticas, que só eram usuais nos bordéis, fazem parte da intimidade das famílias mais respeitadas. Há 60 anos era impensável uma moça deixar de ser virgem antes do casamento. Agora, isso não é nem discutido; muitos namorados dormem juntos à vista dos próprios pais.

Se as escolhas feitas no passado não são irreversíveis, como será o relacionamento amoroso e sexual daqui a algumas décadas? O casal continuará existindo? A maioria das pessoas dará preferência ao sexo em grupo?  Seremos todos bissexuais? As crianças serão gestadas em laboratório? Poderemos nos relacionar com nossos clones? E o incesto, continuará a ser um tabu?

Veja também:

"Se você puder ver as sementes do tempo e saber que grãos irão crescer e aqueles que não se desenvolverão, diga para mim", escreveu Shakespeare. Não há dúvida de que prever o futuro é arriscado, entretanto temos conhecimento de que as transformações serão muitas e em diversas áreas.

O patriarcado — organização social na qual os homens se julgam superiores às mulheres e as oprimem —, apesar de estar entre nós há aproximadamente cinco mil anos, começou a perder suas bases. O avanço tecnológico elimina a divisão sexual de tarefas.

O advento dos anticoncepcionais eficazes e acessíveis desferiu o golpe definitivo nesse sistema, que tem no controle da fecundidade da mulher sua principal razão de ser e, por estar calcado na natureza biológica, sempre foi considerado universal e eterno.

As fronteiras entre o masculino e o feminino se dissolvem — homens e mulheres cada vez mais compartilham dos mesmos interesses e atividades —,  e pela primeira vez na História os homens estão se voltando contra o sistema patriarcal, ao perceber que lutar para corresponder ao ideal masculino — força, sucesso, poder — é opressivo.

Esta é a pré-condição para uma sociedade de parceria entre os sexos, que trará transformações fundamentais nos papéis desempenhados por homens e mulheres. Os valores tradicionais não dão mais respostas, e no que diz respeito ao amor, casamento e sexo surgem novas formas de pensar e viver.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 12 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda”, “O Livro do Amor” e "Novas Formas de Amar". Atende em consultório particular há 45 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.