PUBLICIDADE

Topo

Os delírios da primeira masturbação de um homem

Universa

02/01/2020 04h00

O sociólogo Lionel Tiger era um adolescente criado na severa comunidade judaica, na década de 50 em Quebec, no Canadá, com estrito controle religioso, um prestigiado esquadrão de moral e bons costumes e sem muito lugar para o prazer. Certa noite, na casa de parentes de cujos filhos cuidava na ausência dos pais, resolveu masturbar-se pela primeira vez. A seguir o relato da sua experiência.

"Era muito difícil para um menino, este menino que vos fala, descobrir as misteriosas possibilidades do corpo. Nem mesmo os jovens mais empenhados na investigação do assunto podiam valer-se de manuais de instrução ou experiência em sala de aula ou no laboratório escolar.

Veja também:

Eu sabia por confusa experiência que o pênis ficava ereto e que era bom demais manipulá-lo. Conhecia seu papel na reprodução, embora em termos de macroteoria.

Minha principal pista quanto à empreitada que contemplava era o linguajar chulo dos colegas, especialmente numa senha das mais explícitas: 'tocar punheta'. Qualquer simplório seria capaz de adotá-la como guia de ação.

Resolvi então tocar uma punheta. Mas quando? E se exagerasse? E se meu rosto ficasse vermelho durante horas? E se meu órgão sexual me impedisse de despedir-me decentemente dos primos, e eu ainda estivesse ofegante e bufando? E se não conseguisse atender às crianças sob meus cuidados, quando precisassem de ajuda?

O principal era escolher o momento certo. Esperei que os bebês caíssem em sono profundo, sem nenhum sinal de queixa ou qualquer manifestação consciente durante quase uma hora.

Calculei então a metade do tempo que faltava dali até a hora que meus 'patrões' deveriam voltar. Seria aquele o meu momento!

Mas onde? Dependia do que ia acontecer, e isto eu não sabia. Tinha praticamente certeza de que expeliria um fluido. Mas em que quantidade? E se deixasse minha roupa escandalosamente suja? E se eu fosse denunciado por uma porcariada de chamar a atenção? E se a coisa acabasse com uma mancha federal no papel de parede da sala de visitas? E se ficasse no ar um odor inconfundivelmente carnal?

Encontrei a solução perfeita: ficaria completamente nu na banheira! Nada de roupas lambuzadas. É claro que a banheira seria perfeitamente capaz de conter tudo que eu conseguisse expelir. As provas seriam apagadas com um abrir de torneiras. Era uma solução higiênica e conveniente para o dilema criado por minha ardente perturbação.

Mas quanto tempo demoraria? E se eu perdesse a noção do tempo? Tinha de me arriscar. Decidi então que mesmo dentro da banheira manteria no pulso o meu relógio, que não era à prova d'água."

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 12 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda”, “O Livro do Amor” e "Novas Formas de Amar". Atende em consultório particular há 45 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.

Blog Regina Navarro