Topo

Ainda bem que o "homem Marlboro" é cada vez mais coisa do passado

Universa

16/11/2019 04h00

No tempo em que meninos, jovens e adultos ouviam com frequência "Seja homem!", "Prove que você é homem!", "Vem cá se você é homem!", ou seja, sempre desafiados a provar sua masculinidade, surgiu o homem dos cigarros Marlboro.

A propaganda ilustrou de forma perfeita o que povoava a imaginação das massas: "O homem duro, solitário porque não precisa de ninguém, impassível, viril a toda prova. Todos os homens, em determinada época, sonharam ser assim: uma besta sexual com as mulheres, mas que não se liga a nenhuma delas; um ser que só encontra seus congêneres masculinos na competição, na guerra ou no esporte. Em suma, o mais duro dos duros, um mutilado de afeto.", diz a filósofa francesa Elisabeth Badinter.

Veja também:

A primeira coisa que se quer saber quando um casal vai ter um filho é o sexo da criança. Mesmo antes do nascimento o papel social que ela deverá desempenhar está claramente definido: masculino ou feminino.

As características do homem masculino são a força, o sucesso, a coragem, a ousadia, e tantas outras do gênero, sem esquecer, claro, aquela cobrança que atormenta todo menino: "Homem não chora." São todas metas inatingíveis para a maioria. A mulher feminina, ao contrário, deve ser delicada, frágil, sensível, dependente, gentil, pouco competitiva, se emociona à toa, chora com facilidade, indecisa, pouco ousada, recatada.

Mas, na realidade, a diferença entre homens e mulheres é anatômica e fisiológica; o resto é produto de cada cultura ou grupo social. Tanto o homem como a mulher podem ser fortes e fracos, corajosos e medrosos, agressivos e dóceis, passivos e ativos, dependendo do momento e das características que predominam em cada um. Ainda bem que o Homem Marlboro está se tornando cada vez mais coisa do passado.

Robert C. Norris, o ator, morreu agora, aos 90 anos, sem nunca ter sido fumante. Durante 14 anos apareceu em comerciais da marca na televisão, mas contam que decidiu deixar o posto de Homem Marlboro quando percebeu que estava dando um mau exemplo aos filhos.

 

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 12 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda”, “O Livro do Amor” e "Novas Formas de Amar". Atende em consultório particular há 45 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.

Blog Regina Navarro