Topo
Regina Navarro Lins

Regina Navarro Lins

Da virgindade ao sexo anal: a difícil noite de núpcias ao longo da história

Universa

09/11/2019 04h00

Em países de cultura árabe e muçulmana, a virgindade das noivas é obrigatória. Uma pesquisa com 20 homens de até 45 anos, casados e solteiros, incluindo pessoas da elite econômica e cultural, revelou o que eles pensam.  Eles consideram que "manchas de sangue provam a virgindade da noiva" e isso é o alicerce de um casamento feliz.

Se olharmos a história do Ocidente, observamos que a exigência de virgindade das noivas também apresenta aspectos inacreditáveis, começando pela Roma Antiga. A noite de núpcias desenrolava-se como uma violação legal, da qual a esposa saía "ofendida contra o marido", que habituado a usar as escravas, desconhecia outras formas de iniciativa sexual. Era comum, na primeira noite, o recém-casado se abster de deflorar a mulher, em consideração à sua timidez; nesse caso, porém, como compensação, ele praticava sexo anal com ela.

Na Idade Média (séculos 5 ao 15), apesar de haver controvérsias entre os historiadores, o jus primae noctis dava teoricamente o direito, ao senhor feudal, de deflorar a noiva de um vassalo. "Alguns relatos dispersos, mas verídicos, indicam que este costume foi efetivamente praticado em diversos países europeus, mesmo no período em que a cavalaria estava transformando-se em filosofia orientadora da aristocracia", diz o historiador americano Morton Hunt.

A moda da viagem de núpcias, a Lua de Mel, se difunde no século 19, por volta de 1830. Diante de todos os tabus a respeito do sexo, essa prática crescente tinha o objetivo de poupar o círculo familiar de um momento "tão constrangedor''…

No início do século 20, a noite de núpcias é a meta dos sonhos e temores da moça, nesse século da virgindade. Mas também é uma provação; o difícil momento da iniciação feminina por um marido que conhecera o sexo só com prostitutas. Essa noite impõe uma encenação coletiva do pudor, do temor e da ignorância que todos os médicos descrevem. A iniciação pode ser brutal. Os maridos aguardaram essa noite para se revelarem.

Nos anos 1950, a maioria das jovens ainda tentava se casar virgem. A historiadora Carla Bassanezi conta em seu livro que apesar dos riscos de "perder o respeito" do próprio namorado ou noivo, nem todas as moças evitam contatos íntimos. Algumas permitem certas "liberdades" desde que a virgindade – selo de qualidade exigido para o casamento – seja mantida e que "mais ninguém saiba". Nesse tipo de namoro pode haver "amassos" (carícias por cima e por baixo da roupa), sexo "feito nas coxas" ou até sexo oral e anal.

Não é somente o medo de "dar um mau passo" ou de "se perder" que assustava as jovens. A contracepção era inacessível às mulheres solteiras e havia, portanto, o temor da gravidez indesejada. Nos Estados Unidos, as clínicas chegavam ao ponto de pedir o recibo do vestido de noiva para aquelas que queriam tomar precauções antes da noite de núpcias.

Estamos no século 21. Como você acha que a virgindade é vista hoje nos países ocidentais?

Leia também:

"Nunca tive orgasmo e tenho me sentido menos mulher por isso"

O que leva um homem a expor o pênis sem consentimento a uma mulher?

8 coisas que você precisa saber antes de encarar um ménage

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 12 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda”, “O Livro do Amor” e "Novas Formas de Amar". Atende em consultório particular há 45 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Regina Navarro