Topo

Idosos são expulsos de asilo por orgia e desafiam nossa noção de sexo

Universa

19/09/2019 04h01

O prolongamento da vida sexual até idades mais avançadas é uma mudança marcante das últimas décadas do século 20. O aumento da expectativa de vida, com boa saúde, a difusão do ideal de juventude e a possibilidade de os mais velhos aproveitarem tanto a sociabilidade como os lazeres autônomos não os limita mais a frequentar apenas a própria família.

A direção do asilo Lar de Edith Scarborough, em Londres, surpreendeu a Inglaterra e o mundo ao decidir pela expulsão de um grupo de idosos. O motivo? Foram surpreendidos tentando fazer uma orgia ao som de rumba. As idades eram entre os 78 e 85 anos! Os idosos buscavam atividades mais excitantes para o ócio, mas a gerência do lar mandou-os embora…

Veja também:

Entretanto, no caminho inverso, o Hebrew Home, em Nova York, um lar de idosos, incentiva relações sexuais entre seus residentes. As enfermeiras e cuidadoras do lar não tentaram impedir que Audrey Davison ficasse a sós no quarto com o colega. É a "política de expressão sexual" desse lar do Bronx.

Uma cuidadora fez até uma placa "Não perturbe" para pendurar do lado de fora do quarto. "Eu gostei, e ele foi um amante muito bom", disse Davison, de 85 anos. "Isso fazia parte de nossa proximidade: tocar fisicamente e beijar." Esses namorados desafiam as noções tradicionais do envelhecimento. Ainda bem.

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 12 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda”, “O Livro do Amor” e "Novas Formas de Amar". Atende em consultório particular há 45 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.

Blog Regina Navarro