Topo
Regina Navarro Lins

Regina Navarro Lins

É possível ter amor sem sexo? Entenda o "pacote" que vem com relacionamento

Universa

22/08/2019 04h00

A partir do século 20, mais do que em qualquer outra época, o amor ganhou importância. As pessoas passaram a acreditar que, sem viver um grande amor, a vida não tem sentido. Procuramos alguém que nos ame, sem compromissos anteriores e sem paixões recolhidas de amores antigos.

A idealização do amor tem um custo. Não é verdade que "tudo o que você precisa é de amor". Precisamos também ter um espaço individual, amigos verdadeirosinvestir na carreira etc. Ao nos concentrarmos no amor, negligenciamos outras paixões, o que torna nossa vida mais limitada.

Veja também:

O filósofo americano Robert Solomon faz algumas observações interessantes. Para ele, a idealização do amor leva à ideia de que o amor é um fenômeno, que as pessoas "encontram" ou não. Exigimos que nosso amor seja isto ou nada, e, por isso, ficamos desapontados.

Entretanto, o amor varia de intensidade, como qualquer outra emoção. E já que a maioria de nós não é capaz de manter um delírio febril por muito tempo, logo aparecem algumas dúvidas do tipo "será que isso é mesmo amor?" e "Será que ainda o amo?"

É como se o amor só fosse real de fato quando é explosivo, quando nos absorve totalmente. O amor, porém, se manifesta de muitas maneiras. Por que nos recusamos a admitir que o amor, como a tristeza ou a alegria, deve às vezes esperar sua vez de entrar em cena?

Na melhor das hipóteses, o amor é uma convergência de muitos desejos. No amor não queremos só sexo e segurança, mas também companhia, diversão, alguém com quem viajar, sair, ouvir conselhos, enfim, uma associação com um aliado, alguém com quem vamos dividir o trabalho doméstico e aumentar a renda da casa, alguém de quem podemos depender na horas dos problemas e nos consolar nos momentos de tristeza, e por aí vai.

Na realidade, gostaríamos de tudo isso, emoções e constância, excitação e segurança, e de preferência tudo junto, num só pacote, um pacote supostamente garantido pelo amor. Mas o amor é só um ingrediente nesse pacote.

Mesmo que seja indesejável, podemos ter amor sem companheirismo, amor sem sexo, amor sem apoio emocional, amor sem excitação, amor sem estabilidade. Para Solomon, o que muitos consideram o colapso do amor é, na verdade, a perda de um desses desejáveis acompanhamentos do amor. Contudo, isso não precisa ser a perda do amor, é só a perda do "pacote".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 12 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda”, “O Livro do Amor” e "Novas Formas de Amar". Atende em consultório particular há 45 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Regina Navarro