PUBLICIDADE

Topo

Regina Navarro Lins

Quando descobri que minha filha gosta de meninas

Universa

01/06/2018 13h08

Tatiana e Lucília. A mãe ficou chocada ao descobrir que a menina é gay. Hoje, ajuda mães no YouTube (Foto: Reprodução Facebook/Tatiana Ferraz)

Um mãe, professora de jornalismo, acostumada a defender respeito e aceitação diante das diferenças, diz ter "perdido o chão" quando sua filha, aos 15 anos, lhe contou ter certeza de gostar de meninas. Mas o primeiro movimento foi o de acolher a filha. A partir daí, refletiu sobre seus preconceitos e criou um canal no YouTube para "acalmar" quem tem filho (a) LGBT.

Ela acredita que o fim da discriminação passa por aceitar e falar aos quatro cantos que a homossexualidade não tem nada de anormal. "É um desserviço pensar que homossexuais não devem se beijar em público 'porque crianças podem ver'. Se as crianças forem ensinadas a lidar com um beijo gay da mesma forma com que lidam com um beijo hétero, o preconceito acaba", diz a mãe.

Veja também

Concordo inteiramente com essa ideia e com a importância de os pais se livrarem das crenças equivocadas aprendidas e, assim, darem todo o apoio que a filha necessita. Afinal, é na adolescência que a orientação afetivo-sexual se define. Assustada, a jovem, muitas vezes, não consegue admitir nem para si mesma seus sentimentos e desejos. Sabe que são proibidos e fica confusa.

A dificuldade de uma mãe aceitar a homossexualidade da filha se deve, entre outras razões, à expectativa criada em relação ao seu comportamento. Desde pequenas as meninas são educadas para o casamento com o sexo oposto e para o papel materno. O mesmo conflito que surge na adolescência, quando percebem que seu desejo amoroso e sexual é dirigido para pessoas do seu próprio sexo, é vivido pelos pais, que reagem de variadas formas.

Contudo, homens e mulheres homossexuais precisam lutar para serem autônomos, não se submetendo aos valores impostos nem absorvendo os preconceitos da sociedade. Sem dúvida, ser homossexual não significa infelicidade, da mesma forma que ser heterossexual não garante felicidade a ninguém.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 12 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda”, “O Livro do Amor” e "Novas Formas de Amar". Atende em consultório particular há 45 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.

Blog Regina Navarro