Regina Navarro Lins

A tradição cruel do estupro

Regina Navarro Lins

29/11/2016 07h00

Ilustração: Lumi Mae

Ilustração: Lumi Mae

Comentando a Pergunta da Semana

A maioria das pessoas que respondeu à enquete da semana não considera que a mulher estuprada é responsável pela violência sofrida. Ainda bem.

No Brasil ocorre um estupro a cada 11 minutos. Levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública estima que devem ter ocorrido entre 129,9 mil e 454,6 mil estupros no País em 2015.

Foi espantoso também o resultado da pesquisa divulgada pelo Ipea, em 2014: 58,5% dos entrevistados concordaram totalmente ou parcialmente com a frase “Se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros.” Um absurdo total.

Essa violência tem uma longa história. Quando o sistema patriarcal se instalou, há cinco mil anos, e a sociedade de parceria entre homens e mulheres cedeu lugar à dominação masculina, a mulher passou a ser uma mercadoria valiosa. Rapto seguido de estupro foi o método mais usado de adquiri-la. Desde então, ocorrem estupros em toda parte.

Na Idade Média (século 5 ao 15), um dos pensamentos comuns entre os homens era que toda mulher podia ser submetida. Havia conselhos da melhor forma de praticar um estupro :

“Com uma mão levante a sua roupa e, em seguida, encaixe o membro ereto/Em seu sexo. Deixe-a gemer e gritar. Pressione seu corpo contra o seu e satisfaça os seus desejos com ela”.

A força bruta era vista com bons olhos. Havia também os estupros coletivos. Os jovens solteiros, nas cidades no fim da Idade Média, frequentemente se reuniam em associação com um chefe à sua frente. Eles eram autorizados a estuprar as mulheres que encontrassem pela frente.

Na Renascença, século 16, a ideia de que as mulheres queriam que o Diabo as seduzisse se baseava na crença medieval de que elas queriam e apreciavam o estupro. O estupro sempre foi muito difícil de se provar num tribunal. E a vítima era suspeita de se ter deixado levar por sua sensualidade natural.

Atualmente, acontece a mesma coisa. Há quem atribua a responsabilidade do estupro à vítima. Alegam que seu modo de vestir, de andar ou falar é o grande responsável. Por trás dessa ideia está a noção de que os homens não conseguem controlar seus apetites sexuais; então, as mulheres que os provocam é que deveriam saber se comportar. A violência parece surgir como corretivo: “A mulher merece ser estuprada para aprender a se comportar”.

Há quem encare esse tipo de violência contra a mulher como algo natural. A visão do estupro como uma “brincadeira” tornou-se noticia internacional quando a diretora de uma escola do Quênia falou sobre a morte, na escola, de 19 meninas pelos meninos, quando elas resistiram ao estupro. Seu comentário inacreditável, relatado na imprensa queniana e, depois, no New York Times, em 4 de agosto de 1991, foi: “Os meninos não queriam fazer mal às meninas. Só queriam estuprá-las”.

Apesar de toda a violência, as mentalidades estão mudando. Há homens que já compreenderam que a virilidade tradicional é bastante arriscada e cada vez mais aceitam que atitudes e comportamentos sempre rotulados como femininos são necessários para o desenvolvimento de seres humanos.

Mas ainda temos um longo caminho pela frente. Concordo com a antropóloga Marcia Thereza Couto, professora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), num aspecto fundamental.

Ao ser perguntada, numa entrevista para o Uol, como a universidade pode acabar com a cultura do estupro, ela afirma que a escola tem não só o dever, mas o papel de inserir gênero no seu conteúdo curricular – desde o ensino fundamental e infantil até o ensino universitário.

E acrescenta que deixar a temática de gênero de fora dos currículos do ensino superior é uma espécie de terreno fértil para um mercado de trabalho com profissionais que perpetuem desigualdades e estereótipos.

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 11 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda” e “O Livro do Amor”. Atende em consultório particular há 42 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Topo