Regina Navarro Lins

Temor de que os filhos sofram com a separação leva pais a suportarem o insuportável

Regina Navarro Lins

18/03/2017 07h00

Ilustração: Lumi Mae

Comentando o “Se eu fosse você”

A questão da semana é o caso da internauta, casada há cinco anos, que não sente mais nada pelo marido. Diz que o convívio com ele está insuportável, mas o que a prende em casa é o temor do filho de quatro anos sofrer com a separação.

Ao contrário do que muitos pensam, não acredito que a separação dos pais faça os filhos sofrerem, e sim a culpa que os pais absorvem ou a incompetência deles para lidar naturalmente com a situação.

Muitas crianças são usadas por uma das partes para agredir a outra. Além disso, nenhuma criança merece o peso de ser responsável pela infelicidade dos pais, que por ela fizeram o sacrifício de permanecer num casamento péssimo. Criança precisa ser amada, valorizada e respeitada.

Mas o temor de que a separação afete negativamente os filhos não é raro.
Paulo, um médico de 38 anos, me procurou no consultório por causa da crise que está vivendo com sua mulher e a separação iminente.

“As brigas lá em casa estão se tornando insuportáveis. A única saída que vejo é acabar com esse casamento, que já vai mal há muito tempo. Sei que não vai ser fácil ficar sozinho, mas a minha maior preocupação maior são meus filhos. Não suporto a ideia de vê-los sofrer, e se tornarem jovens inseguros… Meus pais acham que eu deveria mudar de ideia e não sair de casa, ou seja, acham que eu deveria me sacrificar pelas crianças. Será que essa é mesmo a melhor opção?”

Apesar de todas as inseguranças dos pais, separações ocorrem cada vez com maior frequência. E isso teve início quando o amor entrou no casamento, por volta de 1940.

Até então os casamentos se davam apenas por interesses econômicos e políticos. As expectativas eram de que o marido fosse provedor e respeitador.

A esposa deveria ser boa dona de casa e mulher respeitável. A partir da entrada do amor na relação do casal as expectativas mudaram.

Passaram a ser de realização afetiva e prazer sexual. Quando uma dessas duas falha, os casais acabam se separando.

Muito se falou que a separação dos pais estaria diretamente ligada a filhos com problemas emocionais. Mas isso não se confirmou.

A socióloga americana Constance Ahrons acompanhou por 20 anos um grupo de 173 filhos de divorciados. Ao atingir a idade adulta, o índice de problemas emocionais entre esse grupo era equivalente ao dos filhos de pais casados.

Além disso, Ahrons observou que eles ”emergiam mais fortes e mais amadurecidos que a média, apesar – ou talvez por causa – dos divórcios e recasamentos de seus pais”

É certo que a mudança das mentalidades demora algumas vezes mais de cem anos para se concretizar, mas isso não importa, desde que se abra um espaço definitivo para a autonomia de homens e mulheres.

Enquanto isso, sorte de quem tem coragem para aproveitar este momento, em que, felizmente, a culpa e os sacrifícios estão sendo substituídos pela possibilidade de uma vida mais satisfatória.

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 11 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda” e “O Livro do Amor”. Atende em consultório particular há 42 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Topo