Regina Navarro Lins

Ansiedade e medo de fracasso podem ser explicações para falta de ereção

Regina Navarro Lins

Ilustração: Lumi Mae

Ilustração: Lumi Mae

Comentando o “Se eu fosse você”

A questão da semana é o caso da internauta que ama muito o namorado, mas ele não consegue ter ou manter ereção quando transam. Ela pergunta se ele não a ama, se não a deseja. Não sabe o que fazer e já pensou em terminar o namoro.

O fato de um homem não conseguir ereção não tem necessariamente a ver com amor ou desejo. Mas é uma questão que sempre atormentou homens e mulheres.

Pela História temos exemplos de comportamentos sociais bem estranhos a respeito da ausência de ereção. O mais conhecido talvez seja a criação do “Tribunal da Impotência”, na França, na Idade Média (século 5 ao 15).

Uma mulher podia acusar o marido de impotência e com isso conseguir a anulação do casamento. Claro que não era simples provar sua acusação.

No século 12, ainda se aceitavam provas como juramento dos maridos, testemunhos de sete vizinhos que “ouviram dizer” que o homem era impotente, até suplícios como caminhar sobre ferros quentes para provar a inocência.

A verificação da impotência foi se aperfeiçoando. O bispo deveria indicar sete parteiras para examinar as partes genitais da esposa, a fim de verificar se o hímen foi rompido.

A medicina medieval aconselhou o ato sexual público de marido e mulher quando havia acusação de impotência. O médico, com autorização da justiça, primeiro examinava os órgãos genitais de ambos.

Depois, uma mulher respeitável assistia o casal deitado durante alguns dias. Ela lhes dava alimentos afrodisíacos, fazia massagem com óleos, ordenava-lhes que se acariciassem e se beijassem. Ao final, transmitia ao médico o que tinha visto. E então ele podia depor em juízo.

Todo esse processo era dramático para o homem, levado sob os gritos da multidão para a casa onde se lhe exige que cumpra o seu dever conjugal.

Além do ridículo que experimenta, o marido é ameaçado, em caso de fracasso, de ser separado da mulher, de ter de devolver o dote e de ser condenado ao celibato para o resto dos seus dias.

Bom…não é à toa que a maior preocupação do homem no sexo seja não obter ereção, mesmo que seja eventual. A cultura ocidental, além de esperar que ele seja forte, corajoso e tenha sucesso em tudo, associou a ideia de masculinidade à potência sexual.

Muitas vezes o pavor de novo fracasso pode criar um círculo vicioso. Se um homem fica ansioso durante o ato sexual, são liberadas substâncias como a adrenalina, afetando o funcionamento do seu sistema nervoso autônomo.

Isso leva à contração dos vasos sanguíneos, impedindo o fluxo de sangue para o pênis, o que torna difícil obter ou manter a ereção. A preocupação com o desempenho acaba, então, dificultando a ereção.

A falha da ereção episódica é normal, entretanto quando se torna repetitiva e principalmente acarreta angústias e interfere na qualidade de vida, pode ser considerada disfunção erétil.

Estudos mostram que após os 40 anos, 52% dos homens apresentam algum grau de disfunção erétil e destes 27% apresentam essa disfunção de forma leve.

É importante que a disfunção erétil seja avaliada por um médico urologista, especializado em disfunções sexuais masculinas. A questão é que a maioria dos homens demora alguns anos para buscar ajuda.

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 11 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda” e “O Livro do Amor”. Atende em consultório particular há 42 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Topo