Topo
Regina Navarro Lins

Regina Navarro Lins

Medo e ameaças: as vítimas de perseguição "amorosa"

Universa

18/08/2019 04h00

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou esta semana dois projetos que podem criminalizar o "stalking". Molestar alguém, por motivo reprovável, de maneira insidiosa ou obsessiva, direta ou indiretamente, continuada ou episodicamente, com o uso de quaisquer meios, de modo a prejudicar a liberdade e a autodeterminação, pode levar a pena de 2 a 3 anos de prisão. Se a vítima for mulher, pode ser aplicada a Lei Maria da Penha.

Já estava na hora! Desde 1990 é considerado crime nos Estados Unidos.

Veja também:

Originário do verbo inglês "to stalk", cujo significado literal é "atacar à espreita", como se faz com a caça, stalking é um comportamento assustador.

As vítimas do stalking relatam restringir suas atividades, tornarem-se amedrontadas. Sentem-se ansiosas ao atender a porta, abrir a correspondência ou atender ao telefone. Os perseguidores (stalkers) costumam telefonar repetidamente para as vítimas em casa e no trabalho, tocar a campainha, inundá-las de cartas e flores, pular inesperadamente das moitas, bombardeá-las com insultos e súplicas verbais, e em geral segui-las por toda parte. Em muitos casos, os stalkers atacam suas vítimas e se tornam especialmente violentos quando elas passam a ter uma nova relação amorosa.

Mulheres são quatro vezes mais perseguidas do que os homens.

Muitos perseguidores espreitam suas vítimas (75%), fazem ameaças explícitas (45%), vandalizam bens (30%), e às vezes ameaçam matá-las ou a seus animais de estimação (10%). Num estudo de 628 mulheres vítimas de perseguidores, 87% tinham menos de 40 anos, com a média em torno de 28 anos. Em 60% dos casos, o stalking por parte de um parceiro íntimo começou antes de a relação terminar oficialmente; 1/3 das vítimas necessitam de atendimento psicológico.

J. Reid Meloy, psiquiatra especializado em medicina legal e professor de psiquiatria da Universidade da Califórnia , Estados Unidos, passou, na década de 1980, a coletar dados sobre o assunto. Depois de algum tempo, concluiu que o stalking, essa incapacidade para lidar com a perda, poderia ser definido como "um comportamento anômalo e extravagante, causado por vários distúrbios psicológicos, nutridos por mecanismos inconscientes como raiva, agressividade, solidão e inaptidão social, podendo ser classificado como patologia do apego".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 12 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda”, “O Livro do Amor” e "Novas Formas de Amar". Atende em consultório particular há 45 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Regina Navarro