Topo
Regina Navarro Lins

Regina Navarro Lins

De moeda de troca à forma de controle: faz tempo que sexo não é só sexo

Universa

20/06/2019 04h00

"A história do ato sexual, que se designa prosaicamente por coito ou, escolhendo entre os seus milhares de sinônimos, "carapauzada", "pôr a escrita em dia" ou ainda "mandar o bernardo às couves", é a de um movimento pendular perpétuo entre liberdade e constrangimento, amor à luz do dia e hipocrisia das sombras", diz a escritora francesa Béatrice Bantman.

Ainda há no sexo muitos tabus e preconceitos. Desde cedo, as crianças aprendem a associar sexo a algo sujo e perigoso, porque ouvem as pessoas usarem o sexo para xingar e ofender a alguém. Todo palavrão tem conotação sexual.  Sem ser percebida como tal, a repressão sexual vai se instalando e condiciona o surgimento de valores e regras para inibir a sexualidade das pessoas.

Veja também:

Tudo isso passa a ser visto como natural, fazendo parte da vida, o que causa grandes prejuízos. "Quanta renuncia ao desejo a sociedade exige de nós em comparação com o nível de recompensa que ela proporciona?", pergunta a professora americana Laura Kipinis.

As frustrações sexuais na nossa cultura são geralmente causadas pelo hábito de se colocar o sexo a serviço de outros objetivos. As mulheres, para fazer frente à opressão que sofriam, durante muito tempo usaram o próprio corpo como arma para se defender. Controlando as necessidades sexuais masculinas, obtinham em troca vantagens e também presentes como joias, roupas e perfumes. Novos valores surgiram, mas muitas delas não desistem da ideia de que só tendo o domínio da satisfação sexual do homem terão benefícios.

Muitos homens, por sua vez, vão para o ato sexual tão preocupados com o desempenho e, por não relaxarem, ficam impossibilitados de se entregar às sensações. É claro que nem todos ficam tensos durante o ato sexual. As pessoas realmente livres se limitam a buscar no sexo a única coisa que ele pode oferecer: prazer sexual.

Entretanto, saber descobrir e sentir prazer pode ser um talento e uma arte que precisa ser cultivada. E com toda a repressão sexual da nossa cultura, não é tão simples. Certos prazeres são aceitos, alguns condenados, outros proibidos mesmo. Não é sem motivo. Impedir as pessoas de experimentar prazer é uma forma eficiente de mantê-las sob controle.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 12 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda”, “O Livro do Amor” e "Novas Formas de Amar". Atende em consultório particular há 45 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog Regina Navarro