menu
Topo
Regina Navarro Lins

Regina Navarro Lins

O curioso caso de amor não correspondido que quase acabou em tragédia

Regina Navarro Lins

15/11/2018 04h00

Ilustração: Caio Borges

O amor não correspondido pode se transformar em tragédia. Curioso é o caso de John W.Hinckley, que escreveu uma carta para a atriz Jodie Foster, em 30 de março de 1981, pouco antes de tentar assassinar o presidente americano Ronald Reagan:

"Querida Jodie,

Há uma possibilidade definitiva de que eu seja morto em minha tentativa de pegar Reagan. É exatamente por essa razão que estou lhe escrevendo esta carta. Como você sabe muito bem agora, eu a amo muito. Nos últimos sete meses eu lhe deixei dúzias de poemas, cartas e mensagens de amor com tênue esperança de que venha a ter um interesse por mim… Sei que as muitas mensagens deixadas em sua porta e em sua caixa de correspondência foram um aborrecimento, mas sinto que foi o modo menos doloroso para que eu manifestasse meu amor por você…

Jodie, eu abandonaria a ideia de pegar Reagan num segundo se ao menos pudesse conquistar seu coração e viver o resto de minha vida com você… Vou lhe confessar que o motivo que me faz levar adiante essa tentativa agora é porque simplesmente não posso esperar mais para impressionar você. Tenho que fazer algo agora para que você entenda, em termos nada vagos, que estou fazendo isso por sua causa!

Ao sacrificar minha liberdade e possivelmente minha vida, espero que você mude de ideia a meu respeito. Esta carta está sendo escrita apenas uma hora antes de eu ir ao Hilton Hotel. Jodie, estou lhe pedindo por favor para olhar dentro do seu coração e pelo menos me dar uma chance, com esse feito histórico, de ganhar seu respeito e amor.

Amor você para sempre

John Hinckley"

John feriu Reagan com uma bala, que ricocheteou e atingiu-o no peito. Ele acabou sendo considerado inocente, por sofrer de insanidade mental, e ficou em tratamento psiquiátrico até 2016 — do qual já foi liberado.

Casos extremos como o de John W. Hinckley são raros. Mas a experiência do amor não correspondido é muito comum. O psicólogo americano David Buss relata uma pesquisa que concluiu que 95% dos homens e mulheres indicaram que, por volta dos 25 anos, haviam experimentado amor não correspondido pelo menos uma vez, como um possível amante cujas paixões foram rejeitadas ou como o objeto dos desejos não aceitos de alguém. Só uma pessoa em 20 nunca experimentou amor não correspondido de nenhuma espécie.

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 12 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda”, “O Livro do Amor” e "Novas Formas de Amar". Atende em consultório particular há 45 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.