Topo
Regina Navarro Lins

Regina Navarro Lins

Ela quis um relacionamento aberto, mas está sofrendo com isso

Regina Navarro Lins

08/05/2017 04h05

Ilustração: Caio Borges

"Vivo um relacionamento com um homem casado. Nossa relação tem sido livre de cobranças e com maior liberdade possível. Cada um de nós tem suas vidas e suas relações interpessoais, sem que isso nos afete ou afete o que sentimos um pelo outro. Tudo sempre correu bem, mas, de uns tempo para cá, tenho convivido com muitas inseguranças. Sinto ciúme quando penso na possibilidade de que ele se envolva com pessoas específicas, que eu considero mais bonitas ou interessantes do que eu. Como posso evitar que eu sofra, desnecessariamente, por algo que eu mesma criei?"

***

A partir da pílula, nos anos 60, que ao dissociar o sexo da procriação possibilitou a revolução sexual, iniciamos um processo de profunda mudança na forma de pensar e viver o amor. Cada vez aumenta mais o número dos que se recusam a se fechar numa vida a dois.

A vida a dois, numa relação estável — namoro ou casamento — se tornou difícil de suportar diante das transformações e apelos da sociedade atual. Principalmente porque sempre se aceitou como natural que um casal vivesse numa relação fechada, onde só participavam a possessividade, o ciúme e o controle.

Mas, no momento em que os modelos de amor, casamento e sexo se tornaram insatisfatórios, abriu-se espaço para novas experimentações no relacionamento afetivo-sexual. E é exatamente o que algumas pessoas já começaram a fazer.

O psicoterapeuta e escritor Roberto Freire dizia que o verdadeiro ato de amor é o que garante a quem amamos a liberdade de amar, além e apesar de nós e de nosso amor. Ele acredita que apesar de muita gente considerar que essa ideologia amorosa é pura utopia, quase todos sonham com essa possibilidade.

Conseguir se libertar do ciúme, um não se sentir dono do outro, as pessoas saberem que estão juntas por prazer e não por qualquer outro motivo, só enriquece a relação. Além de permitir que se viva sem limitações, coisa tão rara em quem está casado ou namorando. Não tem jeito, é necessário sabermos com clareza como desejamos uma vida a dois.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 12 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda”, “O Livro do Amor” e "Novas Formas de Amar". Atende em consultório particular há 45 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.