PUBLICIDADE

Topo

Dependência emocional e amor se confundem

Regina Navarro Lins

11/04/2017 07h00

Ilustração: Lumi Mae

Comentando a Pergunta da Semana

A maioria das pessoas que respondeu à enquete da semana acredita que a dependência emocional é inevitável num casamento.

Não são poucos os casais que vivem numa relação fechada, que pode servir de proteção do mundo exterior.

Ambos podem se tornar dependentes um do outro e do próprio relacionamento. Alcançar um equilíbrio entre autonomia e dependência não é nada simples.

A terapeuta de casais belga, radicada no Estados Unidos, Esther Perel, diz que as coisas se complicam quando você percebe que uma de nossas maiores necessidades, em termos de desenvolvimento, é autonomia.

Desde que aprendemos a engatinhar, trilhamos os traiçoeiros caminhos da independência numa tentativa de equilibrar nossa necessidade fundamental de ligação com a de experimentar o que somos capazes de fazer.

Precisamos que nossos pais cuidem de nós, mas também que nos deem espaço suficiente para estabelecer nossa liberdade. Queremos que eles nos segurem e nos soltem. A vida toda, andamos às voltas com essa interação entre dependência e independência.

Perel acredita que na vida a dois não queremos jogar fora a segurança porque nossa relação depende dela. Uma sensação de segurança física e emocional é fundamental para uma ligação saudável.

"Mas sem um componente de incerteza não há desejo, não expectativa, não há frisson. A paixão numa relação é proporcional ao grau de incerteza que você pode tolerar.", diz ela.

A dependência emocional entre um casal é encarada por todos com naturalidade porque se confunde com amor.

Essa dependência que se tem do outro pode levar as pessoas continuarem juntas, acomodadas, dando a impressão de estarem anestesiadas.

E quando alguém fica junto por hábito ou dependência emocional, não é raro desencadear um sentimento de ódio pelo outro, mesmo que inconsciente.

Na maioria das relações estáveis, homens e mulheres abrem mão da liberdade e da independência, tornando-se mais frágeis em caso de ruptura.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 12 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda”, “O Livro do Amor” e "Novas Formas de Amar". Atende em consultório particular há 45 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.

Blog Regina Navarro