Regina Navarro Lins

Exposição que transexuais têm alcançado pode acabar com preconceito

Regina Navarro Lins

Ilustração: Lumi Mae

Ilustração: Lumi Mae

 

Comentando a Pergunta da Semana

A maioria das pessoas que respondeu à enquete da semana não teria nenhum problema em ser amigo íntimo de uma pessoa transexual, o que é ótimo.

Mas não podemos negar que para a maioria das pessoas o ser humano apresenta características de um sistema binário que é feminino e masculino.

Isso divide homens e mulheres de acordo com seus órgãos genitais e comportamento social esperado de cada sexo. Entretanto, existem variações que tornam essa divisão menos simples do que parece.

Há pessoas que não se sentem identificadas com o seu corpo, ou seja, sua identidade de gênero é diferente daquela designada no nascimento e tentam fazer a transição para o gênero oposto através de cirurgia de redesignação sexual.

Pela história, desde a Antiguidade, há diversos exemplos. Um deles é o mito grego de Tirésias, profeta cego de Tebas – famoso por ter passado sete anos transformado em uma mulher.

Outro, o imperador romano Heliogábalo se casou formalmente com um escravo, adotou o papel de esposa e oferecia metade de seu império ao médico que o equipasse com uma genitália feminina.

A sexualidade passou a ser objeto de pesquisa no final do século 19. O que estava fora do padrão foi classificado como patologia, como aconteceu com homossexualidade até 1973, quando a Associação Médica Americana a retirou da categoria de doença.

A transexualidade está hoje num momento importante desse processo. A França, onde deixou de ser considerado transtorno mental em 2010, foi o primeiro país a tomar esta decisão.

Na Austrália, em 2011, um indivíduo foi considerado “sem sexo”, por não se encaixar nas categorias de homem e mulher. A Argentina criou uma lei de reconhecimento à identidade do cidadão transexual.

No Brasil, todas as instituições de ensino têm que acatar quando um aluno transexual pedir para ser chamado por outro nome. O estudante também conquistou o direito de usar o banheiro de acordo com a sua identidade de gênero.

Transexuais vieram à superfície social há pouco tempo e são alvo de muitos preconceitos. Afinal, aceitar a ideia de que um homem deseja ser uma mulher e vice-versa é difícil de ser digerida pelos conservadores, que não aceitam quem escapa dos modelos.

Por isso há tanto preconceito e, consequentemente, tanto sofrimento. Mas a exposição que os transexuais estão alcançando mostra que as mentalidades estão mudando.

Acredito que daqui a algum tempo em vez de hétero, homo, bi, trans, diremos simplesmente “sexualidade”.

Sobre a autora

Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora, autora de 11 livros sobre relacionamento amoroso e sexual, entre eles o best seller “A Cama na Varanda” e “O Livro do Amor”. Atende em consultório particular há 42 anos e realiza palestras por todo o Brasil. É consultora e participante do programa “Amor & Sexo”, da TV Globo, e apresenta o quadro semanal Sexo em Pauta, no programa Em Pauta, da Globonews. Nasceu e vive no Rio de Janeiro.

Sobre o blog

A proposta deste espaço interativo é estimular a reflexão sobre formas de viver o amor e o sexo, dando uma contribuição para a mudança das mentalidades, pois acreditamos que, ao se livrarem dos preconceitos, as pessoas vivem com mais satisfação.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Blog da Regina
Topo